Como importar qualquer coisa para o Brasil

O Brasil é um importador muito grande, especialmente quando se trata de abastecer seu setor industrial com matérias-primas, máquinas e equipamentos. Neste artigo, delineamos o fluxo genérico de papelada e dinheiro em relação às importações no país.

Em uma explicação muito direta, o processo de importação é dividido em três etapas complementares e relacionadas:

    Etapa administrativa: compreende todos os procedimentos necessários à importação, aplicados de acordo com a operação e o tipo de mercadoria a ser importada. Todos os atos são administrados pela Secex (Secretaria de Comércio Exterior), envolvendo a autorização para o processo de importação, que é concluída após a emissão de uma licença de importação.S

    Moeda: compreende o pagamento ao fornecedor em moeda estrangeira e compreende a transferência dos capitais estrangeiros para o exterior, o que é controlado pelo Banco Central do Brasil e é processado por meio de um banco autorizado a realizar operações de câmbio.

    Desembaraço aduaneiro: envolve a coleta de impostos, o cheque de documentos e é completado com a retirada das mercadorias na alfândega.

Documentos oficiais emitidos pelo importador

Os documentos a seguir são necessários para executar o processo de importação no Brasil. Eles são emitidos pelo importador e devem ser autorizados por organizações governamentais.

    Licença de importação (Licença de Importação) É um documento eletrônico que deve ser preenchido na internet pelo importador ou por seu despachante aduaneiro, através do sistema unificado de comércio exterior (SISCOMEX).

Saiba como Lucrar com Importação de Produtos dos Estados Unidos!

    Declaração de Importação É o documento de base do despacho de importação, formalizado pelo importador através do SISCOMEX, no momento do desembaraço da mercadoria. A declaração de importação é necessária para todos os processos de importação e compreende o conjunto completo de informações sobre detalhes comerciais, câmbio e impostos, necessários para analisar a operação. Cabe ao banco e ao importador vincular a declaração de importação aos contratos de câmbio.

efetivamente promove a nacionalização das mercadorias importadas. É também um documento eletrônico, emitido pela Receita Federal, e que comprova a efetiva nacionalização de bens importados, através do pagamento de impostos quando devidos.

Classificação de mercadorias

O Brasil, juntamente com a Argentina, Paraguai e Uruguai, adota a Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM), baseada no método internacional de classificação de produtos (Sistema Harmonizado). A classificação de mercadorias define o percentual de tributos (IPI, ICMS e II) a serem pagos, e qual será a organização competente encarregada de autorizar a importação. Para cada produto classificado no NCM / HS será emitida uma licença de importação específica, por uma instituição governamental específica.
Importar Troca

Taxa de câmbio: O mercado brasileiro adota o regime de câmbio flutuante, mas o Banco Central às vezes interfere no valor da moeda para diminuir a instabilidade cambial flutuante.
Arranjos para pagamento

    Pagamento adiantado: Aqui, a contratação e a liquidação da transação (remessa ao exterior de moeda estrangeira) ocorrem antes do embarque das mercadorias. Se o exportador não enviar a mercadoria ou enviar a encomenda errada, o processo pode ser cancelado. Se as mercadorias não foram embarcadas ou ainda não foram nacionalizadas, o importador deve fornecer, em até 30 dias, o repatriamento do pagamento.

    Remessa sem saque: O exportador enviará as mercadorias, preparará os documentos referentes à operação e enviará os papéis ao importador. Somente depois de receber os documentos e as mercadorias, o importador remeterá o pagamento. Aqui, se a remessa estiver cheia na entrega, o importador é responsável por vincular o contrato de câmbio à declaração de importação. Se for um pagamento diferido, o banco é responsável por fazer este processo.

Aperte na Imagem para saber mais!

    Pagamento integral na entrega: O exportador enviará a mercadoria e enviará o documento a um banco estrangeiro, que a enviará a um banco brasileiro indicado pelo importador. O banco brasileiro registrará a cobrança e encaminhará ao importador. Nesta forma de pagamento, o importador é responsável por vincular o contrato de câmbio à declaração de importação.

    Pagamento diferido: Este procedimento é executado como o pagamento integral na entrega, mas a mercadoria terá um prazo de pagamento estipulado. Aqui, o banco é responsável por vincular a declaração de importação ao contrato de câmbio.

    Carta de Crédito: A carta de crédito é emitida por um banco sob as ordens do importador, que garante o pagamento ao exportador se ele fizer parte de tudo que foi prometido ao importador. Se a Carta de Crédito estabelecer o pagamento integral, o importador é responsável por vincular o contrato de câmbio à declaração de importação. Se for um pagamento diferido, o banco é responsável por fazer este processo. Seja Premium(Abre numa nova aba do navegador)

Prévia do título de SEO:Como importar qualquer coisa para o Brasil – negócios da EspanhaPré-visualização de URL:https://spainforos.com › rascunho-automatico


Pré-visualização da meta-descrição:Forneça uma meta-descrição editando a amostra abaixo. Se você não fizer isso, o Google tentará encontrar uma parte relevante do seu conteúdo para mostrar nos resultados da pesquisa. ParágrafoComece com o bloco fundamental de toda a narrativa.Tamanho da fonteLetra capitular

Alternar para mostrar uma letra inicial grande.Procurar um bloco

    Prova de importação (Comprovante de Importação) É o documento que efetivamente promove a nacionalização das mercadorias importadas. É também um documento eletrônico, emitido pela Receita Federal, e que comprova a efetiva nacionalização de bens importados, através do pagamento de impostos quando devidos.

Classificação de mercadorias

O Brasil, juntamente com a Argentina, Paraguai e Uruguai, adota a Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM), baseada no método internacional de classificação de produtos (Sistema Harmonizado). A classificação de mercadorias define o percentual de tributos (IPI, ICMS e II) a serem pagos, e qual será a organização competente encarregada de autorizar a importação. Para cada produto classificado no NCM / HS será emitida uma licença de importação específica, por uma instituição governamental específica.
Importar Troca

Taxa de câmbio: O mercado brasileiro adota o regime de câmbio flutuante, mas o Banco Central às vezes interfere no valor da moeda para diminuir a instabilidade cambial flutuante.
Arranjos para pagamento

    Pagamento adiantado: Aqui, a contratação e a liquidação da transação (remessa ao exterior de moeda estrangeira) ocorrem antes do embarque das mercadorias. Se o exportador não enviar a mercadoria ou enviar a encomenda errada, o processo pode ser cancelado. Se as mercadorias não foram embarcadas ou ainda não foram nacionalizadas, o importador deve fornecer, em até 30 dias, o repatriamento do pagamento.

    Remessa sem saque: O exportador enviará as mercadorias, preparará os documentos referentes à operação e enviará os papéis ao importador. Somente depois de receber os documentos e as mercadorias, o importador remeterá o pagamento. Aqui, se a remessa estiver cheia na entrega, o importador é responsável por vincular o contrato de câmbio à declaração de importação. Se for um pagamento diferido, o banco é responsável por fazer este processo.

    Pagamento integral na entrega: O exportador enviará a mercadoria e enviará o documento a um banco estrangeiro, que a enviará a um banco brasileiro indicado pelo importador. O banco brasileiro registrará a cobrança e encaminhará ao importador. Nesta forma de pagamento, o importador é responsável por vincular o contrato de câmbio à declaração de importação.

    Pagamento diferido: Este procedimento é executado como o pagamento integral na entrega, mas a mercadoria terá um prazo de pagamento estipulado. Aqui, o banco é responsável por vincular a declaração de importação ao contrato de câmbio.

    Carta de Crédito: A carta de crédito é emitida por um banco sob as ordens do importador, que garante o pagamento ao exportador se ele fizer parte de tudo que foi prometido ao importador. Se a Carta de Crédito estabelecer o pagamento integral, o importador é responsável por vincular o contrato de câmbio à declaração de importação. Se for um pagamento diferido, o banco é responsável por fazer este processo.